O pesadelo da casa própria… e sua solução.

   Quem acompanha o blog já sabe que após meu divórcio acabei comprando metade de uma casa que eu mesmo construí quando ainda cegamente participava da corrida dos ratos, chamo de o famoso “monumento à vida que eu nunca quis”.

   Pois bem, essa casa que até o ano passado estava alugada representa uma porcentagem expressiva do meu patrimônio e simplesmente massacra meus planos de IF. Por um tempo cheguei até pensar que foi um bom investimento manter a posse do imóvel após o divórcio, uma vez que o aluguel me rendia em torno de 4,5%aa do valor da casa, o custo de manutenção foi zero durante os 3 anos que o inquilino permaneceu nela e obviamente não tive que arcar com impostos e taxas enquanto ocupada.





   Eis que a maré virou, o inquilino saiu do imóvel no final do ano passado deixando para trás um rastro de “destruição financeira”, minha renda passiva encolheu, o IPTU corroeu meu orçamento e a taxa de condomínio deu o toque final mórbido na matança. Verdadeiro filme de Sexta-Feira 13!rs

  Mas sempre existe luz no fim do túnel, as vezes é um trem que vai te atropelar e as vezes é realmente a solução. Nesse começo de mês meu corretor de imóveis apareceu com um interessado na compra, fez um proposta baixa como sempre e eu retruquei com algo mais razoável, ele recuou e acabou optando pelo aluguel. Fiz as contas aqui e descobri que o aluguel proposto descontado os impostos me renderiam 2,4% ao ano, um péssimo investimento se comparado a qualquer outra coisa no mercado. Mesmo aceitando tal proposta ele recuou mais uma vez ao descobrir que naturalmente teria que arcar com impostos e condomínio, queria que eu pagasse por eles. Perguntar não ofende, mas considerando que uma das minhas alternativas será voltar ao Brasil e morar nessa casa caso não consiga me desfazer dela, alugar para obter 2,4% e ainda arcar com IPTU e condomínio seria um rombo considerável na minha IF.

   Então o pesadelo da casa própria continua, sei que carrego grande parte da culpa por querer transformar um imóvel que foi construído tendo em mente morar nele e não investimento. Mas depois dessa experiência peguei completa aversão por imóvel próprio, se depender de mim vou morar de aluguel pelo resto da vida. Sem levar em consideração o prejuízo financeiro, ainda me sinto imobilizado por ter que considerar voltar ao Brasil mesmo contra vontade, problema que eu nunca teria caso morasse de aluguel. Quem é jovem e pretende explorar esse mundo globalizado, onde ofertas de emprego para morar em qualquer canto do mundo aparecem do dia para a noite, deve fazer de tudo para não cair no conto do “sonho da casa própria”.

   Mas concordo que toda pessoa que persegue a IF tem que de uma forma ou outra se expor a investimentos que gerem renda passiva recorrente, e imóvel para aluguel encaixa-se perfeitamente nessa descrição. Porém atualmente existem maneiras bem mais inteligentes e lucrativas de investir nesse mercado, estou falando de FIIs (Fundos de Investimento Imobiliários), hoje além da minha casa sou proprietários de 2 hospitais, 12 shoppings, 15 galpões, inúmeras salas de escritório que já perdi a conta e algumas agências bancárias. Todos pagando aluguel mensalmente diretamente na minha conta e livre de impostos, totalizando uma média de retorno em torno de 8% ao ano. Eu NUNCA irei conseguir tal retorno alugando minha casa, não vejo a hora de aparecer um abençoado que compre o imóvel por um valor justo e finalmente poder reinvestir esse dinheiro em FIIs, dessa forma permaneço exposto ao mercado imobiliário brasileiro de forma inteligente, com menos dor de cabeça, mais rentável e com liquidez. Mas isso já é assunto para outro post.

Sr.IF365

Comentários