ZAP, péssima maneira de tentar vender seu imóvel…

   Para quem acompanha o blog não é novidade que estou fazendo de tudo para tentar vender meu imóvel, o famoso “monumento dedicado á vida que eu nunca quis”, além de anunciar junto a imobiliária local também coloquei uma placa de vende-se com o meu telefone particular. Por último decidi anunciar no site Zap Imóveis, achei que daria uma ótima visibilidade a nível de território nacional podendo atrair possíveis compradores que desejassem se estabelecer na região por motivos profissionais.





   Paguei por um plano de 3 meses que custou R$348, fiz tudo direitinho caprichando na descrição, tirando boas fotos do imóvel e enaltecendo as qualidades de morar na região. Infelizmente para minha surpresa a resposta ao anúncio não só foi literalmente zero como poderia chamar de negativa! Durante esses três meses que o anúncio permaneceu “no ar” não obtive uma única oferta ou mesmo mensagem de interessados em saber mais a respeito da casa. Pelo contrário, tudo que recebi foram SPAMs utilizando o link do anúncio, em sua maioria mensagens em inglês pedindo desde dados pessoais até dados bancários relacionados a minha conta.

  Sei que estamos ainda vivendo às margens da maior crise que o país já passou, porém esperava uma resposta bem melhor doque a que consegui pagando pelo serviço do Zap. Na verdade em termos de resultados a “plaquinha de vende-se” que coloquei na janela da casa foi a que me rendeu o maior número de interessado no imóvel. Já a corretora que se propôs a trabalhar com a venda ou aluguel do mesmo me parece pouco interessada em receber comissão, nem se deu ao trabalho de colocar um anúncio no jornal ou mesmo uma placa no imóvel. A conclusão que chego é que a melhor maneira de achar compradores para o imóvel é realmente a boa e velha “plaquinha de vende-se” na frente da casa, pessoas interessadas em morar naquela região costumam visitar pessoalmente a vizinhança não só para explorar o local mas também a procura de imóveis à venda, sem mencionar que é possível negociar diretamente com o proprietário.





  A luta para me livrar desse “encosto” continua, quem sabe eu não devesse criar um FII para administrar esse imóvel?rs

Sr IF365