Vou desistir de me aposentar cedo…

   Foi exatamente oque me veio à mente quando recebi a escala de trabalho para o próximo mês, “vou desistir de me aposentar cedo”! Isso mesmo meu caro leitor, depois de tudo que você já leu no meu blog eu cometi a heresia de pensar em desistir dos meus planos de aposentaria antecipada, mas calma que eu explico.





   Tudo aconteceu no último dia 23 quando meu celular apitou informando que a escala de maio já estava disponível, nós escravos da aviação aguardamos ansiosamente pela publicação da escala mensal para finalmente podermos planejar a vida no mês seguinte, na verdade não é bem planejar e sim readaptar os planos conforme a programação publicada. É sempre um momento de angustia e muitas decepções ao ver que não será possível ir naquela festa de casamento do melhor amigo ou no churrasco de confraternização da família porque seus pedidos de folga não foram atendidos. Coisa normal para quem vive essa profissão a mais de duas décadas, acredito que já esteja anestesiado quanto a isso.


   Mas esse mês ao abrir a nova escala meus olhos mal podiam acreditar no que viram, ao contrário das 8 folgas mensais que tenho direito fui agraciado com 17 folgas. Isso mesmo, dos 31 dias do mês de maio eu irei trabalhar apenas 14, é menos da metade do mês! Em toda a minha carreira isso nunca tinha acontecido antes, recontei as folgas duas vezes só para ter certeza de que não estava cometendo um erro matemático.


   Foi então que o pensamento herege veio à minha mente, “até que a vida nessa profissão não é tão ruim, se continuar assim acho que vou desistir de me aposentar cedo…”, mas antes mesmo que eu pudesse repetir essa bobagem duas vezes meu cérebro voltou a funcionar e eu caí na real. Concordo que uma profissão que remunera relativamente bem e que se tenha que trabalhar menos da metade do mês é um sonho de consumo, praticamente vida de senador da república. Porém tem algo de muito errado nessa euforia toda com a publicação dessa escala atípica, se eu estou tão feliz porque terei 17 dias longe do trabalho é porque realmente chegou a hora de eu largar isso tudo. Uma pessoa que ainda sente satisfação com a profissão também ficaria animada em tirar uns dias extras para descansar porém não veria isso como a melhor coisa que aconteceu recentemente em sua vida (que é o meu caso). Cheguei a conclusão que a melhor coisa do meu trabalho atualmente é que ele me remunera o suficiente para poder larga-lo em breve, e isso está errado… não é bom pra mim, não é bom para a empresa e nem para que vive ou trabalha comigo.


   Pelo visto cheguei em um ponto sem retorno, apesar de algumas tentações como a que ocorreu com a publicação dessa escala, estou decidido que quando o contador no topo da página chegar a zero será a hora de largar tudo e viver uma nova vida. Sei que esse alívio que recebi este mês é temporário e causado por ajustes internos de pessoal no meu setor, logo tudo voltará ao normal. Na verdade tenho certeza que nesse exato momento existe alguém dentro da empresa bolando maneiras de corrigir esse “erro” e melhorar o aproveitamento da minha mão de obra, a filosofia em todo lugar que trabalhei sempre foi de explorar o empregado até o limite que a lei permite e escalas de trabalho com 17 dias de folga vão diretamente contra essa filosofia. O jeito é aproveitar para respirar e tomar fôlego para encarar os últimos 383 dias antes da IF.


Sr. IF365