E se o Brasil virar uma Venezuela?

   Essa é uma pergunta que todo investidor brasileiro já deve ter-se feito, eu mesmo já me peguei várias vezes pensando no assunto e sempre de forma teimosa me recusei a acreditar que isso seja possível de acontecer em nosso país, e se acontecesse talvez não fosse tão ruim como a mídia gosta de mostra. Foi então que nesse último final de semana tive a oportunidade de voar com um co-piloto venezuelano e esgotar o assunto durante nossas 7 horas de voo. Spoiler alert, a coisa não é tão ruim como parece, é muito pior!





   Ele tem 47 anos então pôde acompanhar de perto toda a trajetória de Hugo Chavez no poder, segundo ele a coisa aconteceu paulatinamente e sem que o povo percebesse o que realmente estava acontecendo, foi um processo de quase duas décadas até chegar na situação atual. Perguntei se nesse tempo todo não “acendeu um luz vermelha” na cabeça dele imaginando o pior? A resposta foi que pequenas “luzes vermelhas” acendiam o tempo todo mas que nunca eram fortes o suficiente para gerar pânico ou sinalizar o desastre que estava por vir. O “presidente” Hugo Chavez no começo do mandato era visto pela classe média como o novo salvador da pátria e que levaria o país a vencer todos os problemas econômicos pelos quais a Venezuela passava, após eleito o discurso foi mudando e a simpatia pelo estilo cubano de governar foi sendo revelada, o novo discurso era que seu governo seria popular e voltado à atender exclusivamente as necessidades da população.

   Para assegurar o poder Chavez foi lentamente colocando militares e políticos corruptos em posições chaves dentro do governo e o mais alarmante, a corte suprema (equivalente ao nosso STF) foi gradualmente recebendo juízes pró-Chavez, lhe parece familiar? Com toda estratégia armada ficou fácil instaurar um regime absolutista no país, ainda mais quando segundo ele ao longo dos últimos anos a população foi desarmada através de leis e estatutos de desarmamento visando “diminuir a criminalidade”.

   Pelo andar da conversa notei que ele nunca foi do tipo poupador, quando perguntei sobre bolsa de valores me disse que nunca investiu mas mesmo que tivesse investido teria perdido tudo por conta da estatização de praticamente todas as empresas importantes do país, meio que como se o governo brasileiro tomasse posse da Vale, AMBEV, Itaú, etc… os investidores simplesmente perderam tudo. Já os títulos do governo segundo ele desvalorizaram completamente, uma vez que são pagos em moeda local e com a inflação de 1.000% ao mês praticamente não valem mais nem o papel que foram registrados.

   Como disse ele não demonstrou ser um grande poupador e parece que sempre viveu meio apertado de dinheiro, mas isso não o impediu de comprar dois imóveis em Caracas. Foi então que me veio uma pontinha de esperança, imóvel sempre foi um investimento sólido e resiliente à inflação, não? Para minha surpresa nem imóvel salvou a pele dele, o valor deles caiu mais de 50% devido à falta de demanda e pelo fato do governo construir verdadeiros “guetos” dentro de áreas antes muito valorizadas de Caracas. Mas e o aluguel? São sempre reajustados pela inflação e baixando o preço sempre tem como ocupar o imóvel, para se ter uma idéia um dos imóveis vale hoje 30 mil dólares (ele pagou 70 mil alguns anos atrás) e só consegue ser alugado por 100 dólares por mês, isso mesmo que você leu! Para piorar caso o locatário tenha filhos e deixe de pagar o aluguel as leis do país não permitem que ele seja despejado do imóvel. Por tudo isso ele prefere deixar ambos os apartamentos trancados, na esperança de que um dia uma guerra civil possa tirar o governo atual do poder.

   Entre relatos absurdos como o de gente tendo que pagar para poder vasculhar lixo de restaurante para ter oque comer e violência generalizada pelo país, ele me falou sobre como a hiperinflação destrui seu salário forçando-o a deixar o país, pouco antes de deixar a Venezuela estava ganhando como piloto de linha aérea 100 milhões de bolívares equivalente a 25 dólares por mês (salário normal de um co-piloto no exterior é 8 mil dólares). Para piorar o governo se recusa a emitir os documentos necessários para que os pilotos possam deixar o país e procurar oportunidades dignas aqui fora, viraram verdadeiros escravos.

   Mas no meio desse caos alguns vivem como verdadeiros reis, são eles os políticos, militares e quem possui reserva em dólares, aqueles que já tinham dinheiro fora da Venezuela hoje podem desfrutar de luxos que a população comum nem consegue imaginar. Falando em população comum a classe média foi praticamente dizimada, ele disse que ainda possui família por lá e os parentes que antes eram todos mais gordinhos, com o passar do tempo foram “entrando em forma” e agora estão todos magros, reflexo da falta de comida. A população que já era pobre passou a ser miserável e hoje vive da cesta básica “doada” pelo governo a cada 30 ou 50 dias, distribuição acompanhada de ameaças do tipo “caso o governo saia do poder nem isso vocês irão receber mais”.

   Foi um conversa assustadora, meu lado egoísta não conseguiu deixar de pensar que nesse momento aposto todas as minha fichas que o Brasil não irá virar uma Venezuela, invisto conscientemente em ativos que sejam resilientes à inflação mas pelo relato do colega absolutamente nada que esteja investido dentro do país iria se salvar, só mesmo uma reserva em moeda forte e um bom plano de fuga poderá me dar a chance sobreviver a um apocalipse semelhante. Acho que estamos anos-luz de virar uma Venezuela, mas como ele bem disse tudo aconteceu tão lentamente que fica difícil perceber o cerco se fechando. É bom todos nós ficarmos de olhos bem abertos, as similaridades dos relatos já deixa bem claro que o nosso país não segue um caminho muito diferente do nosso vizinho.


Sr.IF365

Comentários