Cálculo da Renda Passiva - Parte II

   Na primeira parte deste post (leia AQUI) expliquei como faço a contabilidade da renda passiva que entra periodicamente na minha conta e compartilhei qual o rendimento médio de cada aplicação, tudo muito simples e direto. Nessa segunda parte do post irei explicar como faço as projeções para quando atingir a independência financeira e aposentadoria antecipada.







PROJEÇÃO PATRIMONIAL

   Acompanho o evolução do patrimônio desde Março de 2014, dessa forma consigo calcular uma média confiável do crescimento nos últimos 52 meses, entre subidas e descidas do mercado meu patrimônio cresceu em média R$42.808,59 todo mês, antes que você ache que sou um gênio dos investimentos vale lembrar que a esse crescimento médio só é possível devido aos aportes mensais volumosos que consigo fazer todo mês graças ao que consigo economizar da minha renda ativa. De qualquer forma, sabendo que ainda faltam 9 meses para a “aposentadoria” posso estimar que meu atual patrimônio que hoje está em R$3.194.697,56 ainda irá crescer mais R$385.277,34 totalizando R$3.579.974,90 quando eu deixar meu emprego em Maio. Essa estimativa é bem grosseira e pode variar bastante conforme o mercado sobe e desce, mas conforme a data da “aposentadoria” se aproxima o valor esperado torna-se mais realista.


Faço o acompanhamento da evolução patrimonial desde 2014, isso me permitiu fazer estimativas concretas para a aposentadoria.





   Também faço uma mini projeção que chamo de "D+3 meses", ou seja como tenho que cumprir aviso prévio de 3 meses antes de poder deixar o emprego esse valor representa o valor patrimonial caso pedisse demissão hoje. Não tem muita utilidade visto que não pretendo desistir de seguir com o plano original de trabalhar até maio de 2019, porém no meu tempo livre o cérebro fica “brincando” com esse tipo de coisa. Então caso eu pedisse demissão hoje mesmo (Agosto/2018) meu patrimônio final ficaria em R$3.323.123,34. E ai? Essa diferença vale mesmo a pena aporrinhação por mais 9 meses ou chutar o balde agora seria a decisão correta? Ja falei sobre isso em outro post chamado “E se eu largar tudo hoje?”.



PROJEÇÃO DA RENDA PASSIVA

   Caso eu adotasse a regra dos 4% seria muito fácil estimar qual seria o valor a ser retirado do patrimônio mensalmente, se você não conhece a "Regra dos 4%" (ou Taxa Segura de Retirada) sugiro ler AQUI no blog do AA40, lá você encontra uma excelente explicação de como ela funciona. Basicamente considerando a taxa de retirada anual de 4% e o patrimônio estimado de R$3.579.974,90 minha renda passiva mensal poderia ser de R$11.933,25. Porém minha ideia não é viver de retiradas mensais e sim dos dividendos vindos dos ativos que descrevi no último post, aluguel, FIIs, dividendos de ações, Cupons do Tesouro e quem sabe até futuramente rentabilizar minha reserva em dólares aplicando em REITs ou ações pagadoras de dividendos no mercado americano.

   Dessa forma em minha planilha assumo diferentes rentabilidades para cada ativo e com base na alocação que farei do patrimônio obtenho a renda passiva esperada.

   Para cada classe de ativo estimo obter a seguinte rentabilidade:

Dividendos de ações: 0,33% am

FIIs: 0,6% am - Atualmente consigo um pouco mais que isso mas prefiro ser conservativo.

Tesouro IPCA+ Cupons: 0,35% am - Retorno líquido após impostos.

Aluguel: R$2.500,00 - Referente ao valor do aluguel que receberei quando o imóvel for
ocupado.

Reserva em dólares: 2% ao ano. Sem muitas pretensões de obter grandes rendimentos dessa reserva.




   Uma vez tendo estimado o rendimento de cada ativo basta distribuir o valor final do patrimônio que terei em Maio de 2019 para obter a renda passiva na data da aposentadoria. Parece simples mas essa é a decisão mais complexa, como você pode notar os rendimentos dos FIIs por exemplo são mais de três vezes maiores doque os rendimentos proporcionados pela reserva em dólares. Parece óbvio que o melhor negócio seria aplicar tudo onde rende mais não é mesmo? Se entre todas essa opções eu posso obter 0,6% ao mês porque eu me daria ao trabalho de colocar dinheiro em uma aplicação que rende menos? A resposta é simples, diversificação e risco associado a cada investimento. Aplicação com maior risco sempre irá oferecer rentabilidade maior do que a aplicação financeira de menor risco, em outras palavras se eu aplicar em FIIs no Brasil terei rendimentos maiores porém com um risco muito maior do que investir no mercado americano. E em se tratando de aposentadoria (principalmente aposentadoria antecipada) assumir riscos é sempre uma má idéia.

   E é justamente sobre essa alocação de ativos e controle de riscos que falarei na terceira e última parte dessa séria de posts sobre renda passiva. Até lá!



Sr.IF365