O lado negro da Independência Financeira…

   Canso de ler relatos e entrevista de pessoas que estão perto ou mesmo já chegaram à IF e que afirmam que nem tudo são "flores" quando se conquista a independência financeira. Não consigo deixar de me perguntar como isso seria possível? Na minha cabeça a conquista de um objetivo de vida tão significativo como esse, deveria não só trazer apenas alegrias mas também a satisfação plena. Apesar de hoje eu estar praticamente independente financeiramente, ainda não me considero IF pelo simples fato que sinto a necessidade de continuar trabalhando para chegar à meta traçada, por isso não posso falar muito a respeito do lado negro pós-IF porém procuro aprender com os relatos daqueles que já chegaram lá.






   Talvez para quem esteja ainda no começo ou mesmo no meio da jornada em busca da independência financeira seja difícil entender como estar tão perto de conquistar esse grande objetivo de vida possa ter um “lado negro”, acredito que seja a mesma dificuldade que eu tenho em entender como alguém que já deixou o emprego e vive de renda pode afirmar que existe um “lado negro” após a conquista da IF, mas posso garantir que pelo menos o “lado negro” pré-IF existe e é bem visível! A não ser que você tenha se tornado IF do dia para a noite por conta de uma herança, bilhete de loteria premiado ou pela “magia” do Bitcoin o processo de acumulo patrimonial foi e sempre será lento e gradativo… chegaria até a chamar de tedioso. Por maiores que sejam os aportes, quando se fala em deixar de trabalhar para viver de renda inevitavelmente estamos nos referindo à acumular um patrimônio considerável (no meu caso a soma de alguns milhões) e por mais que façamos projeções em planilhas, estudemos todos os investimentos do mercado e participemos ativamente da comunidade FIRE só o tempo irá nos permitir atingir o objetivo final. Isso algumas vezes é uma fonte de frustração enorme pois passamos a viver com uma sensação ruim de desejarmos que o tempo passe rapidamente para que possamos chegar à IF logo, porém ao mesmo tempo sabemos que a vida é curta e provavelmente estaremos sacrificando anos importantes de vida por conta de um objetivo maior. Vivo constantemente assombrado por essa sensação ruim e medo de ter desperdiçado os melhores anos da minha vida para chegar onde cheguei, o que me dá forças é simplesmente a esperança de que daqui a alguns anos irei escrever aqui como tudo isso valeu à pena.


   Muitos dos blogueiros que acompanho e que já conquistaram a IF alertam também para o “lado negro” pós independência financeira, a maioria absoluta deles comenta que existem dois fatores que pegam quase todo mundo de surpresa após a aposentadoria antecipada, o primeiro é a perda da identidade própria. Normalmente quem conquistou a IF teve que se dedicar muito à carreira escolhida e acabou de certa forma deixando o trabalho definir quem realmente são, por exemplo um médico nunca diz “eu estou médico” e sim “eu sou médico”, então oque você acha que irá acontecer quando essa mesma pessoa deixar de exercer medicina para desfrutar da IF? Segundo os “especialistas” a primeira pergunta que virá à mente desse individuo é, quem sou eu agora? Deixar de exercer uma profissão que exigiu tanto tempo e dedicação ao longo de décadas não deve ser fácil, isso sem contar a perda do prestígio e posição de destaque que algumas atividades podem proporcionar.


   Posso estar enganado, mas já faz bastante tempo que desassociei minha identidade à profissão de piloto, por mais estranho que possa parecer não vejo a hora de poder dizer que “sou aposentado”!rs Muitos colegas de profissão me dizem que não irei conseguir largar a carreira na aviação, mas o fato de eu ter conseguido atingir (e de certar forma até ultrapassar) os meus objetivos profissionais, me faz crer que farei a transição de deixar o emprego sem aquele gosto amargo de estar desistindo de um sonho.

   O segundo lado negro da vida pós-IF pode não parecer tão ruim quanto o primeiro mas nem por isso deixa de ser tão assustador. A verdade é que ao atingir a IF todas aquelas desculpas e histórias que contamos para nós mesmos caem por terra, em outras palavras a desculpa para estarmos fora de forma porque não temos tempo para se exercitar não cola mais, o mesmo vale para a de não ter tempo de cozinhar comida saudável, passar mais tempo com a família, cuidar da casa, aprender uma nova língua, etc… passamos a vida inventando histórias para não fazermos coisas que sabemos que deveriam ser feitas e usamos a falta de tempo ou energia sempre como ótimas desculpas para continuarmos ignorando essas necessidades e seguindo por um caminho duvidoso. E agora? No dia que você e eu abrirmos os olhos na primeira manhã pós-FI qual será a nova desculpa para continuar fora de forma? Ou “pior”, qual será a desculpa para continuarmos infelizes? Quem iremos culpar agora a não ser a nós mesmos?


   Como podemos ver nem tudo são flores estando perto ou mesmo após atingir a IF. Ainda não posso afirmar com certeza pois não tive a oportunidade de vivenciar a independência financeira e aposentadoria antecipada, mas lá no fundo sinto que vocês nunca irão ler nesse blogue algo do tipo “me arrependi de largar o emprego”, “a vida pós-IF não é tão boa assim” ou então “me arrependo de ter sacrificado tantos anos de vida para conquistar a IF”. Sou uma pessoa que vive intensamente o momento, quando me encontro em uma situação ruim (como foi o caso da semana passada) a única coisa que me faz sentir melhor é conseguir superar a dificuldade que me aflige naquele instante, por isso vejo com muito otimismo o fato de que quando finalmente deixar o emprego serei sim muito mais feliz do que sou hoje, me recuso a achar que felicidade pós-IF é apenas uma miragem ou um pote de ouro no final do arco-íris…



Sr.IF365