Como conquistar a independência financeira…

   Posso afirmar categoricamente que durante a maior parte da minha vida eu nunca fui bom para lidar com dinheiro, achava que para ser considerado uma pessoa “boa de dinheiro” bastava não se endividar, ou seja tudo que ganhava eu acabava gastando e desde que não gastasse mais doque recebesse estaria tudo certo. E olhando à minha volta acredito que isso ainda seja considerado o normal hoje em dia, a maioria absoluta das pessoas que conheço acham aceitável gastar tudo que ganham pois no mês que vem entrará outro salário, na verdade já fazem parcelamento de compras contando com o dinheiro que cairá na conta nos meses seguintes.





   E foi justamente assim que eu vivi a maior parte da minha vida, conforme já relatei anteriormente a primeira coisa que eu fiz quando consegui meu primeiro emprego na aviação foi comprar uma bela S-10 preta zerinha, obviamente parcelada (como eu disse no começo do post eu nunca fui bom para lidar com dinheiro). Apesar de sempre ter pago minhas dívidas em dia eu praticamente vivia “quebrado” e com a maior parte do meu próximo salário já comprometido com a parcela de carro, casa, casamento ou viagens. Se por um azar eu perdesse meu emprego, no mês seguinte eu já me encontraria afundado em dívidas. 


   Foi só quando eu passei pela minha primeira crise econômica brasileira que fui entender como eu vivia perigosamente, a sensação ruim de ver a empresa em que trabalhava fechar as portas do dia para a noite me acompanha até hoje, foi um choque de realidade e me forçou a repensar meu futuro financeiro de forma que eu nunca mais tivesse que passar por aquela experiência novamente. 


   Para se vencer no mundo das finanças basta seguir uma regra básica, gaste menos doque você ganha! Parece simples mas quando tentamos colocar em prática vemos que a coisa é mais difícil doque parece, o dinheiro simplesmente evapora das nossas mãos, não importa o quanto a gente ganhe sempre achamos uma maneira de gasta-lo. Para piorar falar sobre dinheiro com as pessoas à nossa volta é praticamente falta de educação, evitamos a todo custo discutir esse assunto entre familiares e amigos. E isso é péssimo para a formação do nosso “caráter financeiro”, acabamos aprendendo sobre finanças através de tentativa e erro ou então lendo livros e sites especializados. Mas no geral perdemos uma soma elevada do nosso rico dinheirinho durante esse aprendizado, como gostam de dizer por aí "com investimentos ou você ganha dinheiro ou paga para aprender uma lição".


   Dentre as lições mais importantes que eu gostaria de ter aprendido mais cedo é a de não se deixar levar pelo aumento do padrão de vida, cada vez que meu salário aumentava eu me via no dever de elevar meu padrão de vida ao invés de poupar ainda mais, era como se fosse uma recompensa por ter subido mais um degrau na carreira. Acho que se eu tivesse apenas evitado esse erro básico em pouco mais de 10 anos já teria atingido minha IF, ou então ao menos uma segurança financeira que me permitiria fazer melhores escolhas profissionais. 


   Ao longo do tempo a gente compra um monte de “lixo” e acabamos nos convencendo de que merecemos tudo aquilo como recompensa pelo nosso esforço, comprar virou quase que uma terapia para a maioria das pessoas. E a culpa não é só nossa, a mídia com suas propagandas martelam incessantemente em nossas cabeças que temos o direito de nos recompensarmos através de bens materiais, seja aquele tênis novo, o último modelo de celular ou aquela roupa de marca… você merece! A verdade é que você merece não ter dívidas, merece ter tranquilidade financeira e principalmente merece um futuro financeiro confortável. 


   A pressão social vem de todos os lados, seja através das mídias digitais como Facebook e Instagram ou através dos amigos e vizinhos que acabaram de comprar aquele carro novo, se não tomarmos cuidado nos deixaremos levar por essa pressão social e fatalmente comprometeremos nossas finanças. No meio de todo esse turbilhão é fácil esquecer que pessoas ricas de verdade são ricas porque fazem suas escolhas financeiras de forma consciente, elas não trocam de carro todos os anos e não financiam uma casa em 30 anos pagando ao final do financiamento o valor de três imóveis.


   Apesar de tudo acho que o pior tipo de pressão é aquela que vem de dentro de nós, é aquela voz lá no fundo que insiste em dizer “eu não tenho o suficiente”. Eu por exemplo gosto muito de eletrônicos e apensar do meu celular fazer tudo que preciso quando vejo um novo modelo ser lançado no mercado essa voz interna começa a dizer incessantemente o quanto eu preciso ter aquele novo aparelho, ou então preciso de um tênis novo para começar minha rotina de exercícios… a verdade é que tudo que essa voz interna está fazendo é nos ajudar à procrastinar nossos sonhos e objetivos financeiros uma vez que, comprar mais coisas não irá resolver nossos problemas e nos deixará cada vez mais longe da sonhada independência financeira. Não tem jeito, a única maneira de garantir um futuro melhor é fazendo sacrifícios no presente, se meu objetivo era atingir a aposentadoria antecipada aos 41 anos eu tive que abrir mão de morar no meu próprio país e me enfurnar no meio do “deserto”, decidi não seguir o exemplo dos amigos e comparar um barco, não fazer aquela viagem, não ter o conforto de uma empregada, etc… são pequenos e grandes sacrifícios que somados me levaram à sonhada independência financeira. 


   É preciso ter objetivos muito claros do o porque estamos fazendo esses sacrifícios, o porque não queremos viver dependendo do próximo salário para pagar as contas e o porque buscamos obstinadamente a independência financeira. Quando temos esse objetivos claros em nossas mentes fica um pouco mais fácil justificar tanto sacrifício e as coisas começam a fazer sentido, confesso que por mais de uma vez questionei se estava realmente no caminho certo, hoje olho para trás e vejo que se não fossem pelas decisões que tomei ao longo de todos esse anos não estaria em condições nenhuma de deixar meu emprego e correr atrás do meu sonho de morar em Bali, cuidar da saúde e futuramente passar mais tempo perto da família. Nada disso seria possível sem ter um dia colocado em minha mente que eu queria ser independente financeiramente.


   A receita do sucesso não poderia ser mais simples, gaste menos doque ganha. Esteja ciente de que a pressão social será forte para que você faça exatamente o contrário, mas se você conseguir superar esses desafios e construir uma relação saudável com o dinheiro adquirindo bons hábitos para lidar com sua vida financeira, você finalmente conseguirá ser independente financeiramente.



Sr.IF365

Comentários