Como conquistar a Independência Financeira em 5 passos…

Antes de mais nada quero deixar claro que esse post não passa da minha visão pessoal de quais passos uma pessoa deveria tomar para conquistar a Independência Financeira passando longe de ser uma verdade absoluta sobre o assunto, apenas quero apresentar de maneira simplificada tudo que vivi e aprendi ao longo da minha caminhada em busca da IF. Alguns aprendizados foram de ordem prática enquanto outros tem sua origem nos incansáveis blogs, podcasts e vídeos que acompanho diariamente à respeito de finanças pessoais. Condensei tudo em 5 passos que acredito serem fundamentais para se atingir a Independência Financeira nos dias atuais.



   Todos nós já ouvimos que “dinheiro não trás felicidade” e provavelmente o inventor dessa frase deveria ter muito dinheiro, isso porque apesar dela possuir sim um fundo de verdade, não ter dinheiro é um baita problemão na vida de quem não tem e ninguém consegue ser feliz quando se está cercado de problemas. Quando falta dinheiro na vida de alguém essa pessoa inevitavelmente passa a ver o mundo sob a ótica da escassez preocupando-se constantemente quanto cada coisa custa, como anda o orçamento, se o dinheiro vai durar até o fim do mês, etc… nesse cenário parece que absolutamente todos os problemas giram em torno de dinheiro. Porém como já disse anteriormente no post “Mitos da Independência Financeira: Seus problemas acabaram” conquistar a independência financeira não irá fazer todos os seus problemas desaparecerem como mágica, mas com certeza esforçar-se para ter não só um “colchão de segurança” mas também um certo grau de liberdade financeira vale cada gota de suor a partir do momento em que você deixa de ser obrigado a tomar decisões baseadas puramente na ótica financeira. Imagine não precisar aceitar ficar em um emprego só porque ele paga bem? Ou então não ter que sacrificar uma alimentação saudável só porque esse tipo de alimento custa mais caro? Imagine se fosse possível viver uma vida onde dinheiro deixasse de ser o ponto central das suas decisões diárias virando algo secundário e com menos importância? Esse sonho não só existe como tem nome Independência Financeira, os passos a serem seguidos para conquista-la são simples porém não irão trazer resultados do dia para a noite, é preciso disciplina e perseverança.



   Passo #1 - Faça sobrar dinheiro

   Anote todos os seus gastos, da parcela da casa própria até o cafezinho que você toma na esquina tudo deve ser anotado para que você possa fazer uma importantíssima conta de subtração… rendimentos menos gastos. Se esse saldo for positivo pode partir para o segundo passo, caso negativo pare aqui e comece a fazer ajustes no seu padrão de vida ou mesmo crie maneiras de aumentar sua renda. Sei que é fácil falar,  mas enquanto essa conta não for positiva não existe como prosseguir na caminhada em busca da independência financeira.




   Passo #2 - Crie um fundo de emergência

   Guarde 5 mil reais e só utilize esse dinheiro em caso de “vida ou morte”, e quando eu digo “vida ou morte” estou me referendo à percalços reais da vida… não é dinheiro para balada, viagens de férias e nem mesmo para gastar em festa de casamento. Esse dinheiro só deve ser utilizado a hora que “deu ruim” tipo o carro que você utiliza para trabalhar quebrou, o telhado da sua casa foi levado por uma ventania ou qualquer outro desastre que literalmente tire sua vida dos trilhos. Como diz a lei de Murphy “tudo o que puder dar errado não só dará errado, como também da pior maneira possível e no pior momento possível”, ter um fundo de emergência irá não só permitir você a lidar com a situação com a cabeça no lugar mas também evitará que você se afundo ainda mais em dívidas ao pegar empréstimos pessoais, entrar no cheque especial ou mesmo fazendo pagamentos mínimos da fatura do cartão de crédito.

   Ao criar um fundo de emergência talvez pela primeira vez na vida você irá sentir um gostinho do que a Independência Financeira pode proporcionar, estou me referindo à sensação boa de saber que os problemas financeiros do dia a dia não são mais uma catástrofe e caso eles apareçam de surpresa você tem total condições de lidar com eles. Criar um fundo de emergência na minha opinião é o passo mais importante para retomar o controle das suas finanças pessoais.




   Passo #3 - Quite suas dívidas antecipadamente

   85% dos brasileiros possuem dívidas em atraso, seja pelo excesso de consumismo ou simplesmente pela falta de um controle um pouco mais minucioso das finanças a verdade é que ter boletos ou parcelamento no cartão de crédito é um péssimo hábito mesmo quando não se entra nos juros abusivos do sistema financeiro, isso porque esses pagamentos mensais alimentam um estilo de vida artificial e que restringe absurdamente a sua capacidade de aportar todos os meses de maneira consistente, sem contar que pagando suas dívidas de maneira antecipada é possível economizar uma fortuna em juros que iriam diretamente para o bolso das instituições financeiras.

   Quero que você esqueça tudo que leu a respeito de cortar o cafezinho na esquina para economizar 5 reais por dia e assim conquistar a independência financeira, esse aqui talvez seja o passo mais importante na conquista dos seus objetivos. Para se ter uma ideia digamos que você possui um financiamento de um imóvel no valor de 300 mil reais por um período de 20 anos pagando 5% de juros a.a, no final desse período você irá acabar pagando quase meio milhão pelo mesmo imóvel! Ou seja, são 200 mil reais que poderiam estar contribuindo para sua independência financeira mas que foram parar no bolso do banco. E isso se aplica ao financiamento do seu carro, dívida de cartão de crédito, etc… é muito dinheiro sendo corroído pelo péssimo habito de acumular dívidas.

   Mas qual será a melhor maneira de quitar suas dividas antecipadamente? Nesse caso existem duas linhas de raciocínio: quitar primeiro as dívidas que possuem os maiores juros, essa é a opção mais racional e pagar as dívidas que corroem mais o seu patrimônio faz todo o sentido do ponto de vista matemático. Porém conforme estou descobrindo na prática finanças pessoais é um jogo mais psicológico do que matemático, por isso a segunda opção que é a de quitar as dívidas menores primeiro faz todo sentido do ponto de vista emocional. Ao optar por exterminar as pequenas dívidas primeiro você será tomado por uma sensação de vitória que irá te motivar ainda mais a seguir firme no rumo certo, afinal que pessoa não gosta de ver resultados imediatos para se sentir motivada?

   Falando em se motivar faça agora um pequeno exercício, some rapidamente todas as parcelar que você paga mensalmente… observe como essas pequenas dívidas se acumulam de forma a engessar seu progresso para acumular patrimônio, agora imagine que você começou a quita-las e veja quanto dinheiro passou a sobrar no final do mês. Já pensou não precisar arcar com os R$2.500,00 da parcela do imóvel? Ou os R$1.500,00 da parcela do veículo? Ao imaginar como sua vida passaria a ser sem ter que carregar essa dívidas nas costas você irá começar a ver uma luz no fim do túnel. Seja qual for sua estratégia esse passo é na minha opinião o mais importante de todos!



   Passo #4- Crie um reserva financeira

   Imagine agora que você possui guardado no banco o equivalente á 6 meses ou até um ano de reserva financeira para cobrir seu padrão de vida atual, como isso passaria a impactar suas decisões no trabalho e consequentemente a sua qualidade de vida? Ao criar uma reserva financeira aquela preocupação em perder o emprego desaparece uma vez que mesmo sem entrar um centavo na conta você possui a tranquilidade em saber que as contas estão pagas pelos próximos seis meses a um ano, tempo mais que suficiente para encontrar outro emprego ou pensar em alternativas.

   Para criar uma reserva financeira basta colocar os seus gastos mensais no papel e multiplicar pelos meses que você deseja ter essa tranquilidade, lembrando que nesse momento você não só possui dinheiro sobrando todos os meses por conta do passo #1 como também pode contar com um fundo de emergência conforme o passo #2 e ainda por cima não acumula dívidas graças ao passo #3! O resultado dessa soma irá revelar um número interessante, qual é o seu custo de vida mínimo com o qual você consegue viver confortavelmente. Coloque todo esse dinheiro em uma aplicação segura e de fácil acesso, não coloque em renda variável ou aplicações que sofrem marcação à mercado uma vez que existe a possibilidade de você precisar desse dinheiro justamente no meio de uma crise financeira, lembres-se sempre da lei de Murphy “tudo o que puder dar errado não só dará errado, como também da pior maneira possível e no pior momento possível”.


   Passo #5 - Crie sua Independência Financeira

   Finalmente chegou a hora que você tanto esperava, trabalhar para conquistar sua independência financeira! Até o momento falamos apenas de sacrifícios e objetivos mais imediatos, mas quando pensamos em independência financeira o horizonte se expande e chegamos as vezes até a perde-lo de vista. Isso é ruim mas também é bom pois nesse cenário de longo prazo é que os juros compostos irão mostrar toda a sua força, é quando dinheiro começa a fazer dinheiro ao longo de 10, 15 ou mesmo 20 anos.

   Agora sim você irá criar uma carteira diversificada, optar por ativos de crescimento ou dividendos, renda fixa ou variável, etc... tomará decisões com toda a tranquilidade do mundo sabendo que sua vida já está sob controle e que agora conquistar a independência financeira é literalmente uma questão de tempo!


Sr.IF

Comentários