Viajar é se f*der… ou então você está gastando muito.

   Acredita que existe gente que odeia viajar? Apesar de em um primeiro momento essa ideia parecer absurda se pararmos para pensar faz todo o sentido, tente lembrar da última vez em que você viajou para algum lugar que fosse mais confortável que a sua própria casa. No geral quando planejamos uma viagem de férias tentamos manter um equilíbrio entre conforto e um orçamento (que geralmente é bem limitado), obviamente quanto mais dinheiro estivermos dispostos a gastar na viagem menos “perrengues” iremos passar durante os dias ou semanas que estivermos fora de casa. E se você assim como eu também não nasceu em berço de ouro irá concordar comigo que no geral viajar é se f*der, e se você não está se f*dendo então é porque está gastando muito dinheiro!rs





   Tudo começa na hora de comprar passagens aéreas, para quem já voou na classe executiva sabe muito bem a enorme diferença entre fazer um voo de longa duração dormindo na horizontal ao invés de sentado quase que na vertical na classe econômica. E olhar que eu nem estou falando da comodidade de pedir a refeição a qualquer hora ou então tomar um belo banho em voo antes de chegar ao destino. Durante os quase 20 anos em que trabalhei em empresa aérea tive o privilégio de poder voar (as vezes até de graça) na classe executive, porém desde que abandonei meu emprego para viver a independência financeira fui obrigado a cair na real e de agora em diante serei apenas mais um coitado espremido por 9, 12 e até 15 horas de voo naquelas poltronas minúsculas da classe econômica. Claro que existe sempre a opção de se desembolsar de 15 a 20 mil reais por pessoa para viajar na classe executiva, mas aí não sobraria dinheiro nem para comer e muito menos para hotel!





   Falando em hotel, eu e a Sra.IF enquanto tripulantes tivemos o privilégio de nos hospedarmos a trabalho às vezes até nos melhores hotéis da cidade em que pernoitamos (não que o melhor hotel de Calicut na Índia seja grande coisa) mas o que quero dizer é que mais uma vez o nível de conforto irá obviamente ser afetado pela grana que você estiver disposto a desembolsar. Atualmente nós apenas nos hospedamos em Airbnbs e ficamos em hotéis somente quando não existe outra opção, tento manter o preço da diária abaixo de 65 dólares e por isso mesmo não dá para esperar grande coisa dos lugares que reservamos. O motivo pelo qual dou preferência ao Airbnb é muito simples alimentação, criamos o hábito de evitar restaurantes durante nossas viagens e acabamos cozinhando as refeições em “casa” com produtos do supermercado local. Um exemplo disso está sendo nossa estadia aqui no Chile, a única vez que decidi experimentar jantar em um restaurando acabei pagando o olho da cara e a comida estava bem meia boca… com a grana que gastei nele daria para comer "em casa" por quase uma semana. É obvio que se eu tivesse grana ficaria em um hotel 5 estrelas e faria minhas refeições nos melhores restaurantes da cidade ao invés de ter que chegar cansado e ainda preparar a refeição, mas como disse viajar é se f*der e se você não está se f*dendo então está gastando muito dinheiro.





   No intuito de economizar e também ter um pouco mais de liberdade decidi que alugaria um carro aqui no Chile para fazermos todos os passeios por conta própria ao invés de pegar excursões, nesse caso realmente entra uma questão de gosto pessoal e não somente o lado financeiro. Algumas pessoas curtem o ambiente de excursão enquanto outras preferem a flexibilidade de fazer tudo por conta própria, sendo que às vezes sai até mais barato optar por excursões. Confesso que não parei para comparar qual sairia mais em conta, porém em alguns lugares que visitei notei que algumas pessoas mais abonadas conseguiram juntar o melhor dos dois mundo contratando excursões privadas, se você não quer se f*der igual ao Sr.IF perdendo tempo para achar os lugares turísticos (inclusive atolando o veículo na areia por mais de 2h e pagando perto de 500 reais para desatola-lo, conto essa história mais adiante) basta contratar uma excursão privada! No geral o que presenciei foi o guia particular montando uma mesa de queijos e vinhos enquanto os turistas exploravam o local por exemplo. Conforto e segurança que o dinheiro pode comprar durante viagens…


   Falando em segurança, tá aí mais uma coisa que quando a gente decide economizar acaba abrindo mão. O Chile é até um lugar tranquilo para se visitar sozinho, mas imagine um turista explorando o Rio de Janeiro por conta própria? Ou mesmo o Sr.IF se metendo em “buracos” nessas infinitas estradas de terra que cortam o deserto do Atacama? E não deu outra, por falta de conhecimento e por tentar economizar grana no aluguel do veículo acabei optando por um 4x2 e não um 4x4 o que me fez atolar literalmente no meio do nada a quase 15 mil pés de altitude (equivalente a quando as mascaras de oxigênio da aeronave são liberadas em caso de emergência) e sem sinal de celular. Foram quase 3 horas de agonia entre tentar desatolar por conta própria (e atolar mais ainda), andar até a estrada local rezando para alguém passar por lá e finalmente aparecer um “bom samaritano” com um 4x4 e cordas de reboque. Na verdade se tratava de um guia turístico que antes de ajudar me passou um sermão a respeito de como as agências turísticas orientam eles a não prestarem socorro para que nós turistas desavisados aprendamos uma lição. Mesmo assim dada a nossa situação ele desatolou o veículo e na altura do meu desespero acabei dando uma gorjeta de 80 mil pesos sem saber que aquilo equivale à R$460,00! Acho que já estava tão atordoado que não parei para fazer as contas… enfim, talvez isso tenha mudado a percepção dele quanto a ajudar turistas e eu com certeza aprendi minha lição!rs





   Enfim meus amigos a lista é longa mas já deu para perceber que na minha opinião viajar é sempre cansativo e estressante, foi justamente por isso que eu desisti dos meus planos de viver como um cidadão do mundo. Estou curtindo muito a viagem pelo deserto mas todo dia aparece um perrengue diferente a ser resolvido, arrisco a dizer que o melhor da viagem é sempre quando voltamos a colocar os pés em casa com memórias e histórias para contar. Entre viajar de “mochileiro roots” até milionário em um jatinho particular existe uma gama infinita de possibilidades, porém uma coisa é certa... viajar é se f*der e se você não está se f*dendo então está gastando muito dinheiro.


Sr.IF

Comentários