O meu segredo para permanecer firme em busca da Independência Financeira…

   Hoje quero compartilhar com vocês o maior segredo que me ajudou a permanecer firme no caminho em busca da Independência Financeira, a inspiração para escrever esse post veio ao ler alguns outros blogs sobre finanças pessoais onde os autores em geral buscam simplesmente um futuro mais tranquilo e em momento algum deixam transparecer a ansia por uma aposentadoria antecipada. Mesmo em alguns blogs mais voltados para FIRE (Independência Financeira e Aposentadoria Antecipada) eu não consigo sentir nas entrelinhas que a pessoa em questão está fazendo uso do “meu grande segredo”, em sua maioria esses indivíduos sonham em conquistar a independência financeira mas não necessariamente pensam em abandonar suas carreiras por completo.







   Imagino que nesse instante você esteja ávido pela revelação do tal segredo, mas antes quero alertar que de forma alguma eu desejo que você consiga colocar esse tal segredo em prática na busca pela sua Independência Financeira e Aposentadoria Antecipada. Isso por que estou me referindo ao “dom” que desenvolvi de simplesmente odiar meu trabalho e profissão! Sim, considero esse o grande segredo que me manteve firme em busca da Independência Financeira, ao contrário de simplesmente me agarrar aos sonhos convencionais de independência financeira tais como liberdade, tranquilidade, qualidade de vida, etc… me agarrei à aversão que eu tinha pela vida que estava levando. Quem é mais antigo no blog lembra dos meus posts sombrios e de certa forma até desesperados onde eu relatava como me sentia no fundo do poço, e nada mais estimulante que estar no fundo do poço para manter alguém obcecado em sair dali. A psicologia explica muito bem como o ser humano durante toda a sua vida fará muito mais para evitar dor do que conquistar prazer, então não é de se espantar que eu tenha me agradado fortemente ao bote salva-vidas do ódio pelo meu trabalho ao invés de ter embarcado no bote dos sonhos coloridos que a IF pode proporcionar.


   Juro que invejo aqueles que amam suas profissões, para dizer a verdade eu não só amei a minha como fiz juras de amor eterno imaginando que um dia morreria feliz dentro de uma cabide de avião (coitados dos passageiros!rs). Mas o desgaste da “relação” foi crescendo juntamente com o ressentimento pela rotina imposta pela minha escolha, livrar-se desse amor cego pela carreira abriu meus olhos para a realidade do capitalismo, eu estava sacrificando minha vida para enriquecer meu patrão! Enquanto eu destruía minha saúde trabalhando infindáveis noites seguidas meu patrão provavelmente dormia confortavelmente em sua cama, enquanto eu passava a noite de natal sozinho em um quarto de hotel meu patrão celebrava a data perto dos seus entes queridos… e assim por diante. Confesso que tudo isso não me incomodava enquanto estava cegado por promessa de crescimento profissional e sonhos de voos mais altos, mas felizmente a mordaça um dia caiu graças ao descontentamento com a vida que levava.


   Até hoje não sei se desenvolver ódio pelo meu trabalho foi uma benção ou não, como disse invejo muito aqueles que mesmo em busca da independência financeira não pensam em deixar seus empregos. Mas noto também que esses mesmos indivíduos não possuem aquela disciplina poupadora que irá leva-los à conquista certeira da IF, em sua maioria vivem um equilíbrio onde sacrificar o hoje para sair logo do fundo do poço não faz parte de seus planos, mesmo por que eles não se encontram no fundo do poço! Usam a satisfação com o emprego como desculpa para abrir a torneira dos gastos reduzindo em muito o ritmo da caminhada rumo à conquista da independência financeira, fica nítido que nunca chegaram ao fundo do poço onde a pessoa decide dar um basta naquela situação e que dali por diante tudo será diferente. E é justamente por isso que eu de forma alguma eu desejo que você consiga colocar esse tal segredo em prática, hoje vivo sim um dos melhores períodos da minha vida porém só quem conviveu comigo sabe como o fundo do poço se parece…


   Sr.IF

Comentários