Cálculo de Renda Passiva - Parte III

   No primeiro post desta série descrevi como contabilizo minha renda passiva mensal, logo em seguida no segundo post mostrei como faço as projeções de renda passiva para maio de 2019 quando deixarei meu emprego e finalmente poder viver de renda. Caso não tenha lido os dois posts anteriores você pode ler aqui Parte I e Parte II.






   Nessa terceira e última parte da série vou falar sobre como faço a alocação de ativos e como isso influencia diretamente na renda passiva atual e projetada. Terminei o post anterior explicando o porque simplesmente não aplico todo o meu patrimônio em FIIs uma vez que atualmente esse é o ativo que me trás mais retorno, ao invés disso aloco porcentagens específicas em cada tipo de investimento e para isso utilizo duas funcionalidades interessantes da minha planilha financeira.



   A imagem abaixo mostra a parte da planilha onde eu contabilizo meu patrimônio atual, o patrimônio previsto e determino a porcentagem a ser alocada em cada tipo de investimento.




Inicialmente pode parecer confuso mas vamos explicar cada linha:

   1- A primeira linha é a mais óbvia de todas, aqui está discriminado meu patrimônio real. Tudo que eu tenho em Ações, FIIs, Tesouro IPCA e Reserva em dólares pode ser encontrado nessa linha, somando-se tudo com o valor do imóvel que possuo (R$750 mil) chega-se ao meu patrimônio atualizado que hoje é de R$3.193.531,98.

   2- Na segunda linha você encontra meu objetivo (ou previsão) de investimento para cada tipo de ativo baseado na porcentagem que pretendo alocar naquele ativo. É importante ressaltar que essa linha considera o meu maior sonho que é o de vender a casa e poder colar todo o dinheiro da venda nos outros investimentos. Então caso eu conseguisse vender a casa meu objetivo final para maio de 2019 seria ter meu patrimônio dividido conforme essa segunda linha da planilha, R$357.861,14 em ações, R$2.326.097,40 em FIIs, R$465.219,48 no Tesouro IPCA e R$429.433,37 como reserva em dólares. Essa divisão respeita a porcentagem que aparece para cada ativo na linha 4 e que irei explica logo abaixo.

   3- A terceira linha é semelhante à segundo com a grande diferença que eu considero que a casa não será vendida. Isso é provavelmente o que irá acontecer até a data da minha "aposentadoria", o imóvel será somente alugado e o patrimônio em dinheiro distribuído conforme a porcentagem da linha 4. Então considerando que em Maio de 2019 meu patrimônio (em dinheiro) estimado será de R$2.828.611,39 (R$700 mil da casa ficarão imobilizados) meu objetivo é de ter R$282.861,14 em ações, R$1.838.597,40 em FIIs, R$367.719,48 no Tesouro IPCA e R$339.433,37 aplicado como reserva em dólares.

   4- A última linha é a porcentagem que eu determinei para a alocação em cada ativo, hoje planejo distribuir meu patrimônio da seguinte forma 10% em ações, 65% em FIIs, 13% no Tesouro IPCA e 12% em dólares. Alterando as porcentagens automaticamente terei meus objetivos para cada situação (com a venda e sem a venda do imóvel) atualizados automaticamente.




   Uma vez que eu determinei a distribuição do meu patrimônio conforme descrevi acima obtenho minhas projeções de renda passiva conforma a figura abaixo.





   1- A primeira linha mostra a renda passiva mensal para as diferentes condições de cada coluna. As duas primeiras colunas (em cinza) são a renda passiva que eu espero receber em 2019 ao me “aposentar”, a diferença entre as duas é mais uma vez a possibilidade de eu vender ou alugar a casa. Caso eu consiga vender o imóvel e colocar o dinheiro nos outros investimentos minha renda passiva estimada conforme a alocação percentual que descrevi acima será de R$17.512,83. Caso a casa não seja vendida e eu passar a receber o aluguel de R$2500,00 todo mês a renda passiva estimada cai para R$16.342,52.
   A mesma lógica se aplica às duas colunas seguintes (em amarelo), porém ali seria a minha renda passiva considerando o patrimônio que possuo HOJE caso chute o balde do emprego. Mais uma vez levando em conta os dois cenários possíveis (vender ou alugar a casa), se eu pedisse demissão hoje e conseguisse vender a casa o patrimônio atual aplicado conforme as porcentagens que já descrevi me forneceria uma renda passiva de R$15.628,35, enquanto que se eu pedisse demissão hoje e incorporasse os R$2500,00 de aluguel à minha renda passiva a renda total seria de R$14.458,03.

   2- A segunda linha é a rentabilidade total do portfólio com base no patrimônio versus a renda passiva obtida nos diferentes cenários.

   3- Valor da renda passiva mensal em dólares.

   4- Valor da renda passiva mensal em euros.

Lembrando que para estimar a renda passiva de cada ativo eu usei os seguintes parâmetros:


Ações: 0,33% am

FIIs: 0,6% am - Atualmente consigo um pouco mais que isso mas prefiro ser conservativo.

Tesouro IPCA+ Cupons: 0,35% am - Retorno líquido após impostos.

Aluguel: R$2.500,00 - Referente ao valor do aluguel que receberei quando o imóvel for
ocupado.

Reserva em dólares: 2% ao ano. Sem muitas pretensões de obter grandes rendimentos dessa reserva.




   Se você teve paciência de ler todas essas explicações aí em cima vou descontrair um pouco o assunto fazendo uma pequena simulação. Lembra como eu disse que por motivos de diversificação eu simplesmente não aplico todo o meu patrimônio no investimento que me trás mais retorno? Mas e se eu fizesse isso? E se eu pegar tudo e colocar em FIIs? Vamos ver o que aconteceria:

Zerando todos os outros objetivos e aplicando 100% em FIIs.







   Olha só que maravilha! Renda passiva com a venda da casa estimada para 2019 sobe para R$21.471,67! Sem a venda R$19.471,67…. ou então que tal chutar o balde hoje e vender a casa? Nesse caso a renda passiva mensal seria de R$19.161,19. Piorando um pouco o cenário, não vendo a casa e chuto o baldo do emprego hoje, colocando 100% em FIIs irei receber R$17.161,19.

   Tentador não é? A ganância simplesmente toma conta e fica fácil ignorar os riscos envolvidos na falta de diversificação. Não tem jeito, mudando os percentuais para aplicações mais seguras minha renda passiva despenca enquanto aumentando a porcentagem em aplicações com maiores riscos a renda dispara, o grande desafio será sempre o de achar o equilíbrio com base no grau de risco que você está disposto à tolerar.

   Mostrei acima minhas porcentagens de alocação patrimonial que tenho hoje, mas nada me impede de ir alterando as alocações conforme a evolução do mercado, já fiz isso antes de forma radical quando mudei a estratégia de aplicar a maior parte do meu patrimônio no Tesouro IPCA para passar à investir em FIIs (você pode ler a respeito da minha mudança de estratégia AQUI), na época foi brincando com as porcentagens nessa mesma planilha que decidi fazer tal mudança.

   Hoje me encontro bastante preocupado com o rumo que o Brasil está tomando e cada vez mais fico tentado a aumentar a porcentagem das aplicações em dólares e reduzir os objetivos para FIIs, imagino que R$15.000,00 de renda passiva mensal seja mais que suficiente para viver e reinvestir, considerando que a alocação atual irá me render R$16.342,52 talvez eu faça alguns ajustas nas porcentagens para aumentar meus objetivos de investimentos em dólares deixando a renda passiva cair para próximo dos 15 mil, tudo vai depender do mercado e do resultado das eleições.



Sr.IF365

Comentários