O câmbio está atrapalhando (e muito) os meus planos de viver de renda em Portugal...

   Não adianta mais querer tapar o sol com a peneira, essa desvalorização maciça do real frente ao dólar e euro está sim comprometendo meus planos de me mudar para Portugal. Por mais que eu não tenha me abalado com a queda da bolsa e suas consequências para o patrimonio, é praticamente impossível ignorar que a minha renda passiva mesmo tendo se mantido em um bom patamar em reais despencou quando convertida para o euro. Se antes eu iria dispor de uma renda em torno de 4 mil euros para viver em Portugal agora mal passa de 3 mil euros, uma diferença significativa e que compromete em muito meus planos.







   Já sei que alguns aqui irão dizer "eu avisei, se pretendia morar fora o certo era ter a renda em moeda forte", pode até ser... mas é preciso lembrar que o Sr.IF fez tudo conforme a cartilha dos investimentos manda, investi no Brasil quando ninguém mais acreditava nele (governo Dilma) e o dólar naquela época batia novos records diariamente. Considerando que eu ganhava o salário em dólares soava como um excelente negócio comprar ativos no Brasil com os dólares recebidos lá de fora enquanto nossa bolsa rastejava, não acha? Parecia que tudo caminhava bem e eu tinha feito a aposta certa, com o novo governo eleito a tendência era do crescimento brasileiro retornar e atrair novos investimento estrangeiros forçando o dólar a recuar. E foi exatamente isso que aconteceu no começo, a bolsa simplesmente disparou e meu patrimônio nunca cresceu tanto como em 2019! A renda se manteve estável e de longe superou a inflação... o dólar mostrava sinais de queda e por vezes até recuou bastante, aproveitando essa boa fase aumentei lentamente minha posição no exterior mas sem conseguir atingir um patamar significativo. Nesse cenário eu lembro que teve gente coçando a cabeça questionando se a melhor opção não era mesmo investir aqui no Brasil ao invés de investir na bolsa americana que a cada novo dia batia novo topo histórico. Quem em sã consciência questionaria a minha estratégia?


   Ainda durante esse período de relativa bonança eu me imaginei tirando todo o patrimônio do Brasil e jogando na bolsa do EUA para viver aquele "sonho FIRE americano" que tanto ouvimos falar onde a pessoa vive da regra dos 4% aplicando todo seu dinheiro em ETFs, se tivesse feito isso teria mantido meu patrimônio cima dos 1 milhão de dólares e "renda" de 40 mil dólares anuais, aí sim estaria dando risada a toa dessa alta do dólar e "colhendo" uma renda de 185 mil reais por mês. Como "se" não existe pouco interessa o que eu não fiz, na verdade a tal queda patrimonial não é o centro das minha preocupações e sim a desvalorização da renda em euros.


 Então o que fazer? Desistir dos planos de morar em Portugal? Ainda não cheguei nesse ponto por dois motivos, o primeiro é que quero crer que um renda de 3 mil euros seja suficiente para um casal sem filhos se manter por lá. Apesar da minha margem de segurança ter despencado e se até então eu estava me preocupando para onde iria viajar com a grana que acumulei no fundo Tio Patinhas, agora me darei por satisfeito se levar uma vida confortável em terras lusitanas. O segundo ponto é que o dinheiro necessário para viver por pelo menos 2 anos por lá já está fora do Brasil e foi adquirido em sua maioria com o câmbio muito abaixo do patamar atual, confesso que não sei exatamente qual seria a média de compra desses recursos mas estimo que esteja em torno de 3,80 no caso do dólar.


   Com esses recurso já estando lá fora e sendo suficientes para me manter por pelo menos dois anos sem precisar mandar dinheiro do Brasil, dicidi que manterei minha ida para Portugal independentemente da perspectiva de desvalorização do real, porém já coloquei na cabeça também que não tirarei proveito de ter comprado dólares em um patamar reduzido e contabilizarei os gastos com o valor do euro do dia. Em outras palavras serei conservativo e farei o possível para limitar meus gastas ao valor da renda recebida no mês anterior exatamente como faço hoje aqui no Brasil. Obviamente se o real continuar a se desvalorizar chegará um ponto em que continuar morando por lá fora ficará insustentável, já que o sucesso do meu plano de independência financeira consiste em simplesmente gastar sempre menos do que a minha renda.


   Quero crer que possivelmente as coisas no futuro voltem ao normal e estejamos passando por mais uma simples crise fiandeira que sempre acaba terminando, se dessa vez vai ser diferente eu não saberia dizer. Tudo que resta agora é me adaptar às novas condições, e caso a renda não seja suficiente voltamos a morar no Brasil. De qualquer maneira continuo com a meta de mandar as sobras da renda passiva para o exterior, dessa forma aumento minha reservas lá fora e me coloco em uma situação confortável já que se o real continuar caindo me darei por satisfeito por ter mandando dinheiro para fora, e se o real voltar a se valorizar ficarei mais satisfeito ainda por ver minha renda crescer. E assim segue o jogo...



Sr.IF365

*****ATUALIZAÇÃO 8/03*****


Segue abaixo uma análise e dicas do BP Milhão sobre o assunto:


Comentários

  1. SRIF365, imagino o que esteja passando.

    Depois de todo o sofrimento pelo qual passou em um emprego que não lhe proporcionava nenhum prazer, é decepcionante se deparar com uma situação destas. Logo quando começa o processo de mudança para o exterior, o problema do câmbio se agrava de uma maneira tão drástica.

    Particularmente, acho que esta crise não irá embora tão cedo, pois a economia mundial está doente há algum tempo e os juros baixos, que seriam o remédio para tal mal, estão se mostrando como placebo. Muitos já estão indo às compras, mas continuarei esperando. Acho que a coisa piorará tanto no Brasil como no mundo.

    No Brasil, não vejo Guedes chegando até o final do ano (para ser sincero, acho que pede o boné antes do recesso do Congresso Nacional no meio do ano). De igual maneira, não vejo reformas sendo aprovadas em 2020 com o atual cenário político. Receio que o atual governo entrará no modo banho maria até o final do mandato com os agentes financeiros já apostando quando o novo presidente assumir o posto em 2024.

    No exterior, depois do resultado da Super Terça, mudei o pensamento e já acho que Biden tem chance de ganhar de Trump. Se isso acontecer, não dá para saber se usará os mesmos instrumentos que o atual mandatário tem se utilizado para enfrentar a crise, ferramentas estas que estão se provando inócuas.

    Para tudo que se faz na vida, há consequências, preços a serem pagos. E a herança maldita de 2008 está aí para provar esta máxima. Jogaram a sujeira para debaixo do tapete e 12 anos depois, a excessiva e fictícia liquidez do mercado estão mostrando que nada na vida, inclusive bull markets, é para sempre.

    Penso que mudanças no hábito de consumo da população, queda de poder aquisitivo da classe média no mundo, aumento do fosso entre o muito rico e o muito pobre, envelhecimento da população, expansão de iniciativas sustentáveis com reaproveitamento de materiais são alguns fatores que tem mais força hoje do que no passado e que comprometem a retomada da economia. Por conseguinte, em tese, o próximo "crash" não será igual a nenhum outro do passado.

    Não quero com este post agir como um profeta do apocalipse, mas vejo tantas pessoas apostando TUDO neste bull market irreal que me causam preocupação. Não duvido que muitos cometerão suicídio pelo mundo quando notarem que todas as economias de uma vida viraram pó. A ganância e a inveja mudam as pessoas. Se você não dominar suas emoções, você será tragado pela crise. Ser realista/pessimista é necessário, pois o mercado financeiro não é feito de números, equações e fórmulas mas por sentimentos humanos.

    Foi exatamente este "pessimismo" que me fez alocar uma quantia razoável de dinheiro no mês passado na renda fixa ao invés de ir para a renda variável, pois já achava que o risco não valia a pena. Dois dias depois, o primeiro dia de queda mais forte da B3. Ainda estou com 40% na renda variável, mas este movimento para a renda fixa me trouxe uma tranquilidade que não tem preço. "Antes de querer ganhar, não perca".

    Como vocês não tem filhos e parecem não ser perdulários, mesmo com a queda da renda em euros, acho que conseguirão se manter em Portugal com 3.000 euros ao mês. Obviamente, não terão uma reserva tão grande e nem poderão realizar tantos sonhos, especialmente, viagens. Mas, ainda assim, acho que dá para levar, especialmente se optarem por residir em cidade do interior e que não seja muito turística, o que repercute no custo de vida do habitante.

    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou tudo, MI !!! Detonou !!!

      Excluir
    2. Esse não é o blog com os melhores posts mas é com certeza o blog com os melhores comentários!rs Se alguém já pensava em pular da ponte por conta da perspectiva mundial agora vai pular com certeza depois de ler seu "post"!rs

      Brincadeiras a parte tudo que você escreveu faz muito sentido e é com certeza um dos cenários possíveis para o futuro, concordo com quase tudo... apenas a parte que tange "dessa vez vai ser diferente", cansamos de ver isso tanto para falar das altas do mercado como para os crashs... dessa vez vai ser diferente e o mercado subirá indefinidamente ou dessa vez é diferente e o capitalismo irá acabar. Até o momento essa frase se provou errada, mas vai saber se dessa vez realmente é diferente.

      Excluir
  2. Sem contar que não ajuda em nada quando o PIB é pífio e o presidente envia um comediante (!!!!) para falar com a imprensa. Vai ser longo esperar até 2022.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coloque-se na pele de um investidor estrangeiro montado numa pilha de dinheiro procurando um lugar para investir (não estou falando em capital especulativo). Você acha, realmente, que o indivíduo irá trazer dinheiro ao Brasil se o próprio Presidente não leva a economia a sério, usando um comediante (palhaço) para dar entrevista em seu lugar para não ser confrontado com as perguntas da imprensa sob o resultado pífio do PIB?

      Sei que este dado do PIB não é culpa apenas do atual governo. Sei que leis precisam ser aprovadas no Congresso Nacional e que na maioria das vezes, os parlamentares não agem com vistas ao interesse público.

      Mas não dá para negar que o atual Presidente não tem uma postura profissional em relação ao cargo que ocupa. Acha que o Brasil é um circo e que todos se importam mais em dar uma gargalhada vendo o comediante atuar em seu lugar do que com dados econômicos.

      Será que ele não percebe que agindo assim, ele só beneficia os seus supostos algozes (Judiciário e Legislativo)? Porque já chegamos a um ponto em que ninguém o leva mais a sério. Em minha modesta opinião, Bolsonaro foi eleito para girar a chave da economia (mais do que outras pautas), o que ainda não aconteceu. E se as perspectivas não mudarem logo, todos (Congresso Nacional, empresários, mercado financeiro, eleitores) irão perder a confiança na recuperação do país. E aí, esqueçam B3 a 150.000 pontos (na verdade, nunca acreditei pois não acho que as empresas nacionais tem fundamentos para o alcance desta marca).

      Com o advento do coronavírus, o Brasil, se estivesse em outro patamar, com níveis claros de recuperação econômica, poderia se aproveitar da situação para se tornar um porto de chegada de capital estrangeiro em busca de investimentos com boas perspectivas de retorno.

      Mas, lamentavelmente, não vai acontecer.

      Excluir
    2. Como sou da teoria que o humor é a tábua da salvação e o presidente colocou o Carioca para falar com a imprensa antes dele aparecer para a coletiva não vi problema algum, na hora da coletiva o presidente foi sério (e tosco como sempre foi). Felizmente no Brasil presidente é apenas um fantoche e manda pouco nessa baderna, sabia que sem renovação no congresso nada mudaria... dentro das possibilidades ele até que está fazendo um bom governo já que isso aqui não tem jeito mesmo.

      Excluir
    3. Concordo totalmente com você, Mente Investidora. Acho que o presidente não está à altura do cargo. E discordo do SrIF. Vejo que o congresso tem nos salvado de uma tragédia maior, fazendo algumas pautas andarem mesmo com o presidente atrapalhando.

      Excluir
    4. Sei lá, pra mim político nenhum presta... não posso reclamar de nada pq nem votar eu voto, sempre pago a multa por não comparecer.

      Excluir
  3. Fique tranquilo. Eu já vive muito anos em Portugal e sei, com 1000 euros um casal em Portugal já vive bem, com 2000 euros vive de forma excelente, com uma boa casa, numa boa cidade, muito tranquilo, com 3000 só se for para viver de uma forma absurda de padrão de vida.

    Você pode morar em Portugal, gastando 2000 euros que já vive de forma excelente (cá para mim, talvez até você gaste menos, não sei o seu padrão de vida), e com os outros 1000 euros continuar investindo para ir aumentando sua renda.

    Além disso, só Lisboa, Algarve e o Porto são um pouco mais caras (aí talvez gaste os 2000 euros) mas as outras cidades são bem mais baratas deve gastar menos.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posts como o seu me deixam animado mas não quero me iludir, talvez você esteja falando considerando esses valores para quem já possui um imóvel próprio... pelas minhas pesquisar alugar algo em Portugal não sairá por menos de 800 euros.

      Entramos com o pedido de visto essa semana e o resultado só vira em aproximadamente 2 meses, depois disso eu começo a quebrar a cabeça de como iremos viver por aí.

      Um abraço!

      Excluir
    2. A casa em Portugal é o Item mais caro, mesmo que o apartamento para aluguer custe 800 euros, mais 200 a 300 euros para despesas como agua, luz e internet a casa e despesas fica nuns 1100 euros.

      Depois com comida você deve gastar uns 400 a 500 euros a alimentação em Portugal relativamente barata.

      Com isso chegamos em 1600 euros. Mais uns 100 a 200 euros de transporte. Chegamos a um total de 1800 euros.

      Para os 2000 euros ainda falta 200 euros que pode ser em despesas diversas. Se tem 3000 euros, ainda tem os 1000 euros por mês para reinvestir ou viajar.

      Abraço!

      Excluir
    3. Desculpa, moro na Europa a varios anos, tenho varios conhecidos em Portugal e vou jogar um balde de agua fria nessa afirmacao. De uns anos pra ca' nao se vive bem em Portugal com 1k euros, isso 'e ilusao. 2k euros vai te fazer viver de forma basica (mal vai ter dinheiro pra viajar pela Europa). 3k as coisas comecam a melhorar. 4k pra cima ja e' supérfluo.
      Tenho varios conhecidos que sairam de outros paises da Europa para embarcar nessa de "Portugal 'e barato de viver" e estavo voltando atras depois de 1 ano la. E' barato? E', em relacao a outros paises da Europa, mas com 2k de base, vc n vai ter lastro pra basicamente mais nada.

      Desculpa a falta de acento (teclado internacional).

      Excluir
    4. Pois é, mesmo sem nunca ter ido lá sua visão é mais alinhada com oq pesquisei. Como disse se eu ver que a renda não dá volto p Brasil e me alojo em alguma praia por aqui. Morar em Portugal p ficar passando aperto por conta do câmbio não dá não.

      Excluir
  4. Sr IF 365,

    Tenho algumas considerações a fazer. Primeiramente, uma vez que o seu objetivo é viver uma vida F.I.R.E., sua mentalidade não deve ser contaminada diariamente por notícias de variação cambial, caso contrário, você viverá eternamente preocupado.

    A situação real é que o seu portfolio está desbalanceado. Ninguém consegue prever o futuro, nem muito menos saber se o Real valorizará frente ao Euro e vice-versa. A única maneira de se proteger disso é através do último almoço grátis: diversificação. Em outras palavras: se o seu patrimônio estivesse 30% dolarizado ou em euros, talvez neste mês você estivesse mais rico em reais. Em outros meses, com o Real valorizando frente ao Euro, talvez você estivesse mais rico em euros. O importante, afinal, é que a carteira gere um "alfa", ou ganho real, ao longo do tempo.

    Adicionalmente, não é a renda mensal gerada pelo portfolio, mas sim a capacidade de crescimento do mesmo ao longo do tempo que importa. A Berkshire Hathaway nunca pagou dividendos, mas gerou incríveis retornos superiores a 20% ao ano aos seus acionistas ao longo de mais de 6 décadas.

    Gostaria também de sugerir a correção do seu texto sobre a regras dos 4%: no post você falou sobre retirar 4% mensalmente, mas a verdade é que os valores citados por ti são o soma que se pode retirar anualmente sobre o valor do patrimônio naquele ano.

    Não sei se lembras do nosso podcast sobre viver F.I.R.E. em Portugal: eu havia comentado sobre a compra de um terreno em área urbana em terras lusitanas. Esta, portanto, foi a maneira mais razoável que encontrei de se investir por aqui com o objetivo de ter reserva de valor em moeda forte. No final das contas, comprei o terreno a uma cotação média do euro de R$4,16. Nestes dias ele tem "valorizado em reais", no futuro pode se desvalorizar em reais e valorizar em euros, mas no final não deixa de ser uma reserva de valor. Todo portfolio diversificado precisa ter estes "amortecedores".

    O meu último comentário é: relaxe sobre o câmbio e a renda mensal, foque no portfolio!

    Dê uma olhada na estratégia "Golden Butterfly", e tente fazer ela para a sua realidade: https://portfoliocharts.com/portfolio/golden-butterfly/

    Te aguardo em Portugal!

    Abs,

    Rafael Lima Joia
    Autor do livro "O tripé da independência financeira" (https://www.amazon.com.br/gp/product/B07T7KQPWZ)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se por um lado essa variação absurda do patrimônio em dólares que já beira os 20% pouco me afeta uma vez que tanto faz ele subir ou descer ao longo do tempo uma vez que vivo apenas da renda, já a variação cambial afeta diretamente o dinheiro que eu tenho para gastar no mês. Não sei se posso chamar isso de deixar minha mentalidade não deve ser contaminada diariamente por notícias de variação cambial, é a mesma coisa que você sofrer um corte salarial brusco e achar que não deve se deixar contaminar pelo ocorrido. Mas você está certíssimo que dando muita ênfase a isso viverei preocupado pelo resto da vida.

      Como você sabe meu planejamento é um pouco diferente da maioria e vivo dos rendimentos do mês anterior ignorando por completo perdas e ganhos provenientes da variação patrimonial. Se está certo ou errado eu não saberia dizer, prefiro assim pois automaticamente ajusto meu padrão de vida a realidade do mercado. Exatamente como acontece agora, a renda vai cair por conta da variação cambial e terei que apertar os cintos... enxergo meu patrimônio como um grande imóvel que me paga aluguel, se ele varia de preço ao longo do tempo não me interessa pois não irei vende-lo... o importante é o inquilino continuar pagando em dia. Mas isso não me impede de ficar de olho na vizinhança e me atentar a possíveis coisas que acontecem ao redor do "imóvel" que irão causar sua desvalorização no futuro.

      PS: Obrigado, já corrigi o texto.

      Excluir
  5. SR IF, os colegas acima já deram excelentes contribuições. Só vou completar dizendo que estamos no mesmo barco. Vc na verdade ainda tem bastante margem, acho que mesmo se o euro for a 6,00 vc ainda consegue viver bem com seus dividendos brasileiros. Pra ficar tranquilo 100% nao tem outra solucao senao dolarizar mais. De repente aos poucos criar uma carteira de dividendos na europa. Fica tranquilo e aproveita a vida. Vai passear e deixa o real derreter.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. Acho que toda pessoa que se propõe a seguir a mentalidade FIRE, tem que ter uma coisa básica. Pode parecer banal, mas não é. Você nem precisa ter um salário bom para alcançar uma folga financeira. GASTAR MENOS DO QUE GANHA.

      Se você leva esta máxima à risca, você pode não ficar rico algum dia, mas, provavelmente, não terá problema com suas finanças ao longo da vida.

      E eu vejo isso no SRF365 e sua esposa. Pelos relatos, dá para notar que não tem qualquer deslumbre pelo dinheiro. Podemos até afirmar que são "mão de vaca" em alguma medida.Mas apesar da conotação pejorativa que as pessoas teimam em dar para esta expressão, é inegável que a conduta de usar o dinheiro de forma racional, além de fazer investimentos sem o domínio da emoção, só lhe trará benefícios.

      Não estou defendendo que a pessoa tem que deixar de viver só para amealhar patrimônio. Você pode conceder prazeres a você mesmo e a sua família sem comprometer o orçamento familiar. Basta agir com razão e saber dar valor aquilo que realmente importa na vida. Um carro de R$ 250.000,00 que somente traz despesas e desvalorização ou viver uma experiência que lhe trará boas recordações para o resto de sua existência?

      Abraço a todos.

      Excluir
    2. O plano de dolarização continua, só não foi rápido o suficiente para evitar ser pego de calças curtas com essa crash do real.

      Excluir
  6. Pessoal basicamente já comentou muito bem ai em cima. Mas vou adicionar algumas coisas.
    Quando vc estava trabalhando e ganhando em dólares. Vc estava diversificado em reais (mesmo que o real caisse, vc compensava com seus aportes em reais). Hoje a situação é outra, não tem como ficar ao menos 50% em moeda forte e no máximo 50% em reais.
    Por exemplo, hoje meu salário em reais, preferi mandar maior parte dos investimentos para fora 75-80%. Pelo simples motivo de eu já ter exposição total em relação ao meu trabalho.

    Outra coisa, vc sempre diz que não tem como prever nada. Concordo, ninguém aqui está querendo prever nada, é só olhar os sinais. Eu não estou escrevendo achismo ou prevendo nada, apenas estude.
    1. Diferencial de juros (BR x EUA). "carry trade". Que está no menor nível.
    2. Contas externas e verá o balanço negativo.
    3. Fluxo cambial.
    4. Reserva cambial do BR, que já está quase no nível de 10 anos atras.
    5. Cenário externo... tá na cara essa.
    E olha ai BC vai fazer leilão de VENDA A VISTA (que afetar o preço), não só a volatilidade como estava fazendo no dia 09/03 (segunda feira).
    Provavelmente nas proximas semanas vai abrir uma boa janela pra dolarizar, e se essa vier, vai ser o que vou fazer.

    Sempre vamos ACHAR o dolar caro, achava dolar caro a 4, acho a 4,60 e se tiver 5, vou achar caro também. Não tem achismo. Achismo não serve para nada.
    É foco nos sinais objetivos.
    E falo mais no médio prazo o dolar vai estar mais que esses 4,65. Só estudar que verá isso.
    No longo ... depende de qual economia crescer mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edilson, o fato de grande parte de sua carteira já estar dolarizada é porque pretende emigrar do país algum dia? Ou o seu paradigma é adotar esta postura mesmo ficando aqui para o resto da vida?

      Excluir
    2. Eu não tenho conhecimento de prever absolutamente nada, justamente por isso continuo dolarizando meu patrimônio conforme o planejado, já vinha fazendo isso ao reinvestir todos os dividendos recebidos lá fora. De lá pra cá deu uma acelerada no processo mas nada que irá fazer qualquer diferença dentro dos próximos 5 anos.

      Excluir
    3. Esta questão do câmbio é muito complicada. Quando iniciei 2020, o plano era fazer remessas ao exterior mensalmente, mas como a cotação subiu muito rápido, abortei o plano e até a presente data, não mandei nada para fora com aquele pensamento de que está "caro".

      Mas, aí, fico perguntando a mim mesmo. Se a crise persistir, a tendência no médio prazo é que a cotação não pare de subir? Até quando o Brasil terá reservas cambiais para tentar segurar o preço do dólar? Quando elas acabarem, para onde irá o valor da cotação?

      Se o "investimento mais seguro" do mundo, em tese, são os títulos da dívida pública norte-americana, cada vez mais capital será direcionado para lá, fazendo com que as moedas mais fracas, como o Real, se desvalorizem perante o dólar.

      Estou tentando lutar contra meu "achismo de dólar caro" para voltar a levar dinheiro para o exterior de forma consistente e mensal, independentemente do fato de um dia resolver emigrar do país.

      Excluir
    4. Mente Investidora,
      A princípio não tenho esse planejamento, muito menos no médio prazo. Se acontecer vai ser muito na frente ainda.
      A migração foi justamente para aproveitar a fragilidade do real (e das moedas emergentes), que estava muito evidente para mim. E não pretendo trazer o dinheiro de volta para o Brasil.
      No Brasil pretendo deixar apenas a reserva de emergência, e um capital que me gere renda suficiente apenas para pagar algumas contas básicas.

      O executivo investidor escreveu uma coisa ali embaixo que concordo em parte.
      Os ativos nos EUA também caíram igual ao do BR.
      Com um mero detalhe, os ativos nos EUA estão em dólar e do BR em reais, isso é, em termos globais, no BR caiu mais!
      Ah, mas eu moro no BR, e dai, vc vive da coleta? Qualquer coisa que vc consome, inclusive o seu celular ou computador, que vc está escrevendo tem o custo dolarizado.
      Acho que é meio ingenuidade demais pensar assim. Moro no BR, pra que eu quero dólar.
      Hoje falo, o dólar é muito mais importante que o IPCA do governo.
      Se vc calcular a sua inflação com certeza vai ser de cerca de 2 x IPCA do governo.

      Sem querer criticar ninguém aqui.
      Mas SrIF, ao inves de aportar 0,001% do teu capital todo mês, aproveite a provável oportunidade que se abrirá e migre um pouco mais.
      Venda alguma coisa, principalmente seus títulos IPCA longos, esse sim, na hora que a curva de juros subir (e vai subir, pq agora estão abaixando na marra), igual a Dilma fez .... e vai vir o efeito rebote.

      É nítido o seu desconforto com a variação cambial. E vai ser sempre assim, enquanto vc não tiver pelo menos 50% do capital lá fora.
      Ah, mas se der tudo errado, volto para o BR. Pode ser, morrer de fome não irá. Mas será que vc sonhou com isso?
      E tua esposa gostaria de viver no BR pro resto da vida? Para vc é seu pais, vai ser tranquilo. E pra ela?

      Só complementando. Minha variação patrimonial no mês de fevereiro (mesmo com tudo que aconteceu), em reais foi na casa de 6% positivo. Não me acho mais esperto que ninguém, apenas tem que aceitar a realidade, sem achar nada.
      Achar ou ouvi o zezinho falar não serve para nada.
      Tudo que escrevi aqui, duvide do que escrevi e estuda, e tire as suas próprias conclusões, sem achar nada.
      Sempre que colocar a palavra eu acho na frente, esqueça!

      Excluir
    5. Edilson, você disse que não pretende trazer o dinheiro aplicado lá fora de volta para o Brasil.

      Como, então, irá usá-lo? Via cartão de débito internacional pagando despesas em moeda estrangeira, especialmente durante viagens ao exterior? Ou pensou em algo diferente?

      Excluir
    6. Eu não penso dinheiro como algo que tem ser gasto. Eu penso do dinheiro como algo para te dar tranquilidade.
      Pode ser durante uma viagem para o exterior, pode ser algo lá na frente de morar fora do país, ou pode ser que nunca use ele.
      Se parar de trabalhar quero algo que seja tranquilo, e não uma preocupação. Se for para ficar preocupado com o rumo que tomar, eu prefiro continuar trabalhando.
      Por exemplo: se o BR afundar , não quebro.
      Se o BR decolar, eu me beneficio também. Não preciso torcer
      As pessoas sempre falam que tem que ter equilibrio entre gastar e economizar. Mas eu penso que muito mais que isso, tem que ter uma carteira equilibrada de maneira correta. Não só com ativos em reais, e quando eu falo equilibrada é o seguinte.
      Se uma coisa quebrar vc irá quebrar?
      Se uma coisa decolar, vc irá se beneficiar?
      Se for para botar uma quantidade que não faz nem cocegas no teu patrimonio, pouca diferença faz.

      Excluir
  7. Como será a primeira vez que irei fazer Declaração do Imposto de Renda com ativos no exterior, pergunto aos colegas de comunidade.

    1 - Na aba Bens e direitos, a cotação do dólar que devo utilizar para o dia da compra do ativo (ação, REIT ou ETF) é o da COMPRA (retirado de http://receita.economia.gov.br/acesso-rapido/tributos/tabelas-de-conversao-para-reais-do-dolar-pessoa-fisica-IRPF-2019) ou da cotação do dólar no dia da remessa do dinheiro para fora segundo o contrato de câmbio (seguindo o entendimento exposto no link https://viverdedividendos.org/declarar-acoes-do-exterior-no-imposto-de-renda-ir/)?

    2 - No campo "Situação em 31/12/2019", o valor a ser declarado em reais é baseado na cotação do dólar de que dia? Da cotação do dólar para COMPRA em dezembro/2019 (retirado de http://receita.economia.gov.br/acesso-rapido/tributos/tabelas-de-conversao-para-reais-do-dolar-pessoa-fisica-IRPF-2019)?

    Desde já, agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1- Declarei conforme o Fabio Holder explica no canal dele (https://youtu.be/1ZD_DvzW798), dólar de compra do dia que adquiriu o ativo.

      2- Situação de que? Dos ativos ou dq vc tem em conta corrente na corretora?

      Excluir
    2. Pois, SRIF365. No manual do IR lançado pelo Fábio Holder, ele utiliza a cotação do dólar previsto no site do BACEN, na coluna COMPRA, no dia da aquisição do ativo.

      Já o Viver de Dividendos se baliza pela data do contrato de câmbio da remessa do numerário ao exterior.

      Daí, fiz a indagação, pois o Perguntão da RF não tem um artigo específico sobre esta questão. Apenas, encontrei isto:

      "Os saldos dos depósitos mantidos em bancos no exterior, assim como as dívidas e ônus reais assumidos no exterior, devem ser relacionados em reais, nos campos “Situação em 31/12/2017”, utilizando-se, para a conversão do valor em moeda estrangeira, a cotação cambial de compra fixada pelo Banco Central do Brasil para o dia em que se caracterizar a condição de residente no Brasil. No campo “Situação em 31/12/2018” a cotação é a de 28/12/2018."

      Excluir
    3. Em se tratando de ativos no exterior é uma bagunça mesmo, se servir de consolo meu pai é auditor fiscal aposentado e nem ele entende oq a lei quer exatamente... ele disse que tinha um único cara na repartição dele que se dispunha a lidar com esse assunto, o resto dos fiscais nem queriam entender. Na prática a Receita não liga pra isso...

      Excluir
    4. Pois é. Por que a Receita Federal não deixa tudo claro para aqueles que precisam declarar? Até porque é ela que tem interesse em arrecadar tributos.

      Vou seguir o entendimento do Fábio do Canal do Holder.

      Obrigado.

      Abraço.

      Excluir
  8. Srif365,

    se estã atrapalhando ou não é somente uma questão de perspectiva, e quanto está disposto a se adaptar nessa nova fase de mudança; tenho a impressão que essas preocupaçoes iniciais são normais e beneficas para te deixar com o alerta ligado mas devido a situação financeira "avantajada", com o passar dos meses ( os iniciais são sempre os mais problematicos) e a criação de novas rutinas a tendencia seria melhorar........ou na pior das ipoteses procurar um novo lugar para morar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O segredo é realmente a flexibilidade, meu pai como aposentado e vivendo lá com a renda obtida com a aposentadoria no Brasil já cogita encostar o motorhome por uns meses e vir passar um período no Brasil caso a coisa fiquei insustentável.

      Excluir
  9. Olá SrIF, muito bom os comentários aqui! Sem ser muito repetitivo queria só adicionar algo, você deve levar em conta que a bolsa americana tbm já perdeu cerca de 15% desde que começou essa histeria toda. Ou seja seus $1M não seriam mais $1M. Além disso fico aqui me perguntando se tivéssemos usando a estratégia dos 4% teríamos que vender ativos com toda essa queda! Como eu estou na mesma estratégia que você (usar dividendos apenas) não tenho me importado muito com a queda do mercado (fico apenas de olho no impacto dessa crise na economia real e por consequência nos pagamentos de dividendos). Já a variação cambial para mim na prática não importa pois meus gastos e receitas estão em dólar. Mas se eu fosse você procuraria uma estratégia de dolarizar o patrimônio e por consequência a renda passiva. Eu, mesmo se um dia voltasse para o Brasil, não creio que levaria meu dinheiro de volta.
    Abs!

    www.executivoinvestidor.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensei exatamente nisso, quem se "aposentou" logo no inicio do ano adotando a estratégia dos 4% e está tendo que encara essa queda... não deve ser fácil. Como disse oq está pegando pra mim é o câmbio e a perspectiva de ir para Portugal com um orçamento reduzido, o valor patrimonial por incrível que pareça não me tira um minuto de sono.

      Excluir
  10. Luiz, não estou achando o dólar caro não. Eu utilizo para cálculo essa metodologia:

    https://youtu.be/pVKNmRecq-4

    https://www.mises.org.br/article/2402/qual-o-valor-correto-do-cambio-sim-e-possivel-estimar

    Assim, tá no preço hoje. Antes é que estava descontado. Aplicando a inflação brasileira e americana desde julho/1994, vejo que o real tem muito espaço pra cair.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse no meu post a aposta no Brasil tinha tudo para dar certo, investi aos som de canhões e pretendia "vender" aos sons de rojões... como a tal cartilha do investidor manda. Se economia fosse pura teoria todo mundo estaria rico. Essa queda das bolsas é ótimo para mim pois tenho uma boa grana "parada" em bonds esperando piorar para colocar na bolsa. Oq mata mesmo é o cambio do momento e para onde ele irá.

      Excluir
  11. 365, obrigado por colocar o vídeo aqui.

    Acho que você está fazendo certo. Você ainda tem tempo para ir ajustando as estratégias e isso é o ideal. O problema maior é de quem depende do salário ou aposentadoria atual para viver no exterior. No seu caso, você começar a se preocupar hoje com o que irá gastar daqui a dois anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse se não der para morar em Portugal não deu... com a renda alugo um belo apartamento em alguma praia brasileira!rs Vou manter os planos de só investir fora mas não fazer nenhum movimento brusco em reação à crise...

      Excluir
  12. A situação atual é um sinal, precisa indexar as receitas e despesas com um mesmo índice se quiser tranquilidade futura.

    Antes tarde do que nunca, acho que ainda está favorável em trocar todos os reais por moeda forte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Trocar tudo? Não dá não, fazendo isso é que se perde muito dinheiro na minha opinião... sempre que vem uma crise prega-se o fim do mundo quando na verdade oq ocorreu foi o seguinte:


      Ataque às Torres Gêmeas - Setembro de 2001
      - Queda de -27,9% em 11 dias
      - Recuperação de 52% em 82 dias
      - Saldo final: +9,6%

      Crise de 2008
      - Queda de -45,12% em 31 dias
      - Recuperação de 76% em 150 dias
      - Saldo final: -3,4%

      Delação de Joesley Batista - Maio de 2017
      - Queda de -12,17% em 2 dias
      - Recuperação de 26% em 86 dias
      - Saldo final: +10,6%

      Greve do Caminhoneiros - Maio de 2018
      - Queda de -20,24% em 25 dias
      - Recuperação de 40% em 165 dias
      - Saldo final: +11,6%

      Excluir
  13. SrIF, desculpe me intrometer aqui,
    Mas dos dados que vc citou apenas 2008 foi uma queda para ser considerada.
    Então faça o seguinte raciocinio.
    O topo de 2008 do IBOV NUNCA foi atingido ainda!!! NUNCA.
    Para chegar hoje, tem que subir mais 180% do valor de hoje.
    Não estou pregando vc fazer movimentos bruscos nem nada.
    Só reflita isso.
    Enriquecer em reais, é tipo ser milionário na argentina ou na venezuela. Dinheiro pintando com monte de zero que não vale nada no final das contas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei lá, as vezes perece que esquecemos que estamos falando da nona maior economia do mundo quando nos comparamos à Argentina e Venezuela. Épocas de crise são assim mesmo e é normal correr com o dinheiro para lugares seguros... se a gente aqui que tem pouco dinheiro já acha que tem que tirar tudo do Brasil imagina quem possui grandes fortunas?

      Excluir
    2. Acho que não ficou claro o que eu disse.
      Claro que crises acontece. Mas o que vc me diz do topo de 2008 nunca ter sido recuperado pelo IBOV? E pior estamos muito longe dele.

      E o que acha da argentina ter sido um dos 10 paises mais ricos do mundo??
      O que acha do Real ter sido umas das moedas mais desvalorizadas em 2020?? Mundo injusto? ou Barberagem? E o pior de tudo, que a moeda chinesa nem começou a se desvalorizar ainda, quando isso acontecer, quero nem ver a minha perda do poder de compra pelo meu salario.

      Como disse não estou falando pra ninguém tirar tudo.

      Excluir
    3. Sei lá, só sei que com crise ou sem crise meu planejamento continua exatamente o mesmo... não vendo nenhum ativo mas novos aportes irão todos para o exterior.

      Excluir

Postar um comentário