O câmbio está atrapalhando (e muito) os meus planos de viver de renda em Portugal...

   Não adianta mais querer tapar o sol com a peneira, essa desvalorização maciça do real frente ao dólar e euro está sim comprometendo meus planos de me mudar para Portugal. Por mais que eu não tenha me abalado com a queda da bolsa e suas consequências para o patrimonio, é praticamente impossível ignorar que a minha renda passiva mesmo tendo se mantido em um bom patamar em reais despencou quando convertida para o euro. Se antes eu iria dispor de uma renda em torno de 4 mil euros para viver em Portugal agora mal passa de 3 mil euros, uma diferença significativa e que compromete em muito meus planos.







   Já sei que alguns aqui irão dizer "eu avisei, se pretendia morar fora o certo era ter a renda em moeda forte", pode até ser... mas é preciso lembrar que o Sr.IF fez tudo conforme a cartilha dos investimentos manda, investi no Brasil quando ninguém mais acreditava nele (governo Dilma) e o dólar naquela época batia novos records diariamente. Considerando que eu ganhava o salário em dólares soava como um excelente negócio comprar ativos no Brasil com os dólares recebidos lá de fora enquanto nossa bolsa rastejava, não acha? Parecia que tudo caminhava bem e eu tinha feito a aposta certa, com o novo governo eleito a tendência era do crescimento brasileiro retornar e atrair novos investimento estrangeiros forçando o dólar a recuar. E foi exatamente isso que aconteceu no começo, a bolsa simplesmente disparou e meu patrimônio nunca cresceu tanto como em 2019! A renda se manteve estável e de longe superou a inflação... o dólar mostrava sinais de queda e por vezes até recuou bastante, aproveitando essa boa fase aumentei lentamente minha posição no exterior mas sem conseguir atingir um patamar significativo. Nesse cenário eu lembro que teve gente coçando a cabeça questionando se a melhor opção não era mesmo investir aqui no Brasil ao invés de investir na bolsa americana que a cada novo dia batia novo topo histórico. Quem em sã consciência questionaria a minha estratégia?


   Ainda durante esse período de relativa bonança eu me imaginei tirando todo o patrimônio do Brasil e jogando na bolsa do EUA para viver aquele "sonho FIRE americano" que tanto ouvimos falar onde a pessoa vive da regra dos 4% aplicando todo seu dinheiro em ETFs, se tivesse feito isso teria mantido meu patrimônio cima dos 1 milhão de dólares e "renda" de 40 mil dólares anuais, aí sim estaria dando risada a toa dessa alta do dólar e "colhendo" uma renda de 185 mil reais por mês. Como "se" não existe pouco interessa o que eu não fiz, na verdade a tal queda patrimonial não é o centro das minha preocupações e sim a desvalorização da renda em euros.


 Então o que fazer? Desistir dos planos de morar em Portugal? Ainda não cheguei nesse ponto por dois motivos, o primeiro é que quero crer que um renda de 3 mil euros seja suficiente para um casal sem filhos se manter por lá. Apesar da minha margem de segurança ter despencado e se até então eu estava me preocupando para onde iria viajar com a grana que acumulei no fundo Tio Patinhas, agora me darei por satisfeito se levar uma vida confortável em terras lusitanas. O segundo ponto é que o dinheiro necessário para viver por pelo menos 2 anos por lá já está fora do Brasil e foi adquirido em sua maioria com o câmbio muito abaixo do patamar atual, confesso que não sei exatamente qual seria a média de compra desses recursos mas estimo que esteja em torno de 3,80 no caso do dólar.


   Com esses recurso já estando lá fora e sendo suficientes para me manter por pelo menos dois anos sem precisar mandar dinheiro do Brasil, dicidi que manterei minha ida para Portugal independentemente da perspectiva de desvalorização do real, porém já coloquei na cabeça também que não tirarei proveito de ter comprado dólares em um patamar reduzido e contabilizarei os gastos com o valor do euro do dia. Em outras palavras serei conservativo e farei o possível para limitar meus gastas ao valor da renda recebida no mês anterior exatamente como faço hoje aqui no Brasil. Obviamente se o real continuar a se desvalorizar chegará um ponto em que continuar morando por lá fora ficará insustentável, já que o sucesso do meu plano de independência financeira consiste em simplesmente gastar sempre menos do que a minha renda.


   Quero crer que possivelmente as coisas no futuro voltem ao normal e estejamos passando por mais uma simples crise fiandeira que sempre acaba terminando, se dessa vez vai ser diferente eu não saberia dizer. Tudo que resta agora é me adaptar às novas condições, e caso a renda não seja suficiente voltamos a morar no Brasil. De qualquer maneira continuo com a meta de mandar as sobras da renda passiva para o exterior, dessa forma aumento minha reservas lá fora e me coloco em uma situação confortável já que se o real continuar caindo me darei por satisfeito por ter mandando dinheiro para fora, e se o real voltar a se valorizar ficarei mais satisfeito ainda por ver minha renda crescer. E assim segue o jogo...



Sr.IF365

*****ATUALIZAÇÃO 8/03*****


Segue abaixo uma análise e dicas do BP Milhão sobre o assunto: